GASTRITE CRÔNICA TEM CURA? QUAL O TRATAMENTO?

GASTRITE CRÔNICA TEM CURA? QUAL O TRATAMENTO?

Ninguém aguenta o incômodo da gastrite, não é? Mas, quando identificada e tratada corretamente, ela tem cura. No entanto, é de extrema importância que seja identificada a causa da gastrite para que o médico possa indicar a melhor forma de tratamento, seja com antibióticos ou medicamentos que protegem o estômago. 

Além do tratamento com medicamentos, é importante que a pessoa tenha uma dieta adequada, eliminando as substâncias que irritam o estômago e causam a gastrite; como o cigarro, bebidas alcoólicas e alimentos gordurosos e com muito molho. 

No entanto, quando a gastrite não é identificada ou quando o tratamento não é feito de maneira correta, ela pode evoluir para o tipo crônico, em que a inflamação da mucosa gástrica dura mais de 3 meses, tornando o tratamento mais difícil e a cura mais complicada de ser alcançada. 

O diagnóstico da gastrite crônica é feito por um gastroenterologista baseado nos sintomas e no resultado da endoscopia digestiva, que é um exame que permite visualizar as paredes internas no estômago, identificando inflamação e a possível presença de bactérias.

Além da dor e do desconforto abdominal, a gastrite crônica pode se manifestar por meio de outros sintomas, como: dor de estômago constante e em forma de pontada; sensação de enjoo ou de estômago muito cheio; barriga inchada e dolorida; digestão lenta e arrotos frequentes; dor de cabeça e mal-estar geral; perda de apetite, vômitos ou ânsia de vômito.

Alguns cuidados básicos devem ser seguidos por todos os pacientes: respeite o horário e não pule refeições; prefira pequenas refeições, 6x/dia, ao invés de grandes refeições, poucas vezes ao dia; mastigue bem os alimentos; dê preferência a frutas, verduras, carnes magras e evite frituras, refrigerantes, bebidas com cafeína; não fume; evite bebidas alcoólicas; evite o uso de anti-inflamatórios sem prescrição médica.

Embora a bactéria Helicobacter pylori seja encontrada no estômago de pacientes com gastrite ou úlcera, ainda não existem evidências que permitam distinguir a relação de causa e consequência entre esse micro-organismo e as duas enfermidades. Ou seja, ainda não está claro que a bactéria é responsável pelo aparecimento dessas doenças ou se ela encontra nos pacientes com essas doenças ambiente ideal para seu desenvolvimento.

Nervosismo, estresse ou ansiedade não causam gastrite. Contudo, essas situações podem estimular a produção de ácido e tornar o indivíduo mais sensível à ação dele. A tensão também pode provocar sintomas semelhantes aos da gastrite sem que haja o menor sinal de alteração patológica na mucosa estomacal. Esse quadro recebe o nome especial de dispepsia funcional.

Procure manter suas consultas em dia e entenda a necessidade de atendimento especializado. Todo tratamento deve ser feito por médico clínico ou gastroenterologista.